A Nova Era e a Revolução Cultural. Fritjof Capra e Antonio Gramsci
5

Um grande autor,Olavo de Carvalho escreveu um belo A Nova Era e a Revolução Cultural. Fritjof Capra e Antonio Gramsci livro. Não se preocupe, o assunto de A Nova Era e a Revolução Cultural. Fritjof Capra e Antonio Gramsci é muito interessante ler página por página. O livro tem 240 páginas. Tenho certeza que você não vai se sentir entediado lendo. Este book incrível é publicado por uma grande produção, Publisher. Ler o A Nova Era e a Revolução Cultural. Fritjof Capra e Antonio Gramsci vai fazer mais prazer em sua vida. Você vai apreciar a idéia por trás do conteúdo. Baixar A Nova Era e a Revolução Cultural. Fritjof Capra e Antonio Gramsci em breve para o seu laptop facilmente.

Title:A Nova Era e a Revolução Cultural. Fritjof Capra e Antonio Gramsci
Filename:a-nova-era-e-a-revolucao-cultural-fritjof-capra-e-antonio-gramsci.pdf
ISBN:8567394260
Release Date:January 1, 2014
Number of pages:240 pages
Author:Olavo de Carvalho
Publisher:Vide
registration required Download Read Online




“A ‘Nova Era’ da qual Fritjof Capra se tornou festejado porta-voz e a ‘Revolução Cultural’ de Antonio Gramsci têm algo em comum: ambas pretendem introduzir no espírito humano modificações vastas, profundas e irreversíveis. Ambas convocam à ruptura com o passado, e propõem à humanidade um novo céu e uma nova terra. A primeira vem alcançando imensa repercussão nos círculos científicos e empresariais brasileiros. A segunda, sem fazer tanto barulho, exerce há três décadas uma influência marcante no c urso da vida política e cultural neste país. Nenhuma das duas foi jamais submetida ao mais breve exame crítico. Aceitas por mera simpatia à primeira vista, penetram, propagam-se, ganham poder sobre as consciências, tornam-se forças decisivas na condução da vida de milhões de pessoas que jamais ouviram falar delas, mas que padecem os efeitos do seu impacto cultural. Para os adeptos e propagadores conscientes das duas novas propostas, nada mais reconfortante do que a passividade atônita com que o público letrado brasileiro tudo recebe, tudo admite, tudo absorve e copia, com aquele talento para a imitação maquinal que compensa a falta de verdadeira inteligência”.