Direitos máximos, deveres mínimos: O festival de privilégios que assola o Brasil
5

Um grande autor,Bruno Garschagen escreveu um belo Direitos máximos, deveres mínimos: O festival de privilégios que assola o Brasil livro. Não se preocupe, o assunto de Direitos máximos, deveres mínimos: O festival de privilégios que assola o Brasil é muito interessante ler página por página. O livro tem 364 páginas. Tenho certeza que você não vai se sentir entediado lendo. Este book incrível é publicado por uma grande produção, Publisher. Ler o Direitos máximos, deveres mínimos: O festival de privilégios que assola o Brasil vai fazer mais prazer em sua vida. Você vai apreciar a idéia por trás do conteúdo. Baixar Direitos máximos, deveres mínimos: O festival de privilégios que assola o Brasil em breve para o seu laptop facilmente.

Title:Direitos máximos, deveres mínimos: O festival de privilégios que assola o Brasil
Filename:direitos-maximos-deveres-minimos-o-festival-de-privilegios-que-assola-o-brasil.pdf
ISBN:9788501114532
Release Date:September 21, 2018
Number of pages:364 pages
Author:Bruno Garschagen
Publisher:Record
registration required Download Read Online




Do autor do best-seller Pare de acreditar no governo. Bruno Garschagen mostra, neste novo livro, que o Brasil se tornou um país onde as pessoas acham que só têm direitos – e que têm direito a mais direitos –, mas não deveres e obrigações. O livro expõe as consequências dessa ideia – presente na política, nas universidades, na imprensa – e a confusão que existe entre direitos e privilégios. O grupo de privilegiados é mais amplo do que costumamos pensar. Inclui pessoas que são beneficiadas porque são estudantes, grandes empresários, alunos de universidades federais, empregados em empresas privadas, LGBTTI, membros da OAB, ou criminosos. Há exemplos marcantes de privilégios e regalias de políticos e agentes públicos dos três Poderes, mas também de pessoas que não trabalham para o Estado, e suas consequências são extremamente nocivas para a sociedade, incluindo a corrosão do sentido de responsabilidade individual, o comportamento irresponsável, a formação de uma mentalidade servil, a delegação das obrigações individuais para terceiros, o paternalismo estatal e a ideia de que o outro “me deve” alguma coisa.